sábado, 25 de julho de 2009

Espanha, Gibraltar

País vizinho (logo um tão grande!), que tanto tempo leva a chegar aos outros... Várias vezes o atravessei de carro, autocarro e comboio. De avião também mas a primeira vez foi mesmo de carro. Desde miúda sempre foi hábito de tempos a tempos a “romaria” à fronteira com a família e amigos. Ainda compensava o passeio a troco de caramelos, chocolates, gasolina. Ciudad Rodrigo, Salamanca, Badajoz, Santiago de Compostela, Vigo (El Corte Inglês…) e mesmo La Coruña. Já nem era bem o estrangeiro de tão familiar. Depois outros locais, outras províncias.


O Monte de Santa Tecla situa-se na Galiza, em La Guardia, e tem uma vista panorâmica espectacular sobre a foz do rio Minho e para o Atlântico. Existe aí uma povoação castreja da Idade do Bronze.

Baiona, Vigo, La Toja

Toda a costa da Galiza até Navia, uma viagem recheada de tapas e bocadillos.

Pontevedra, Porto do Barqueiro, Navia

Santiago de Compostela é talvez a cidade que mais vezes visitei fora de Portugal, a última vez em novembro do ano passado. De passagem, visita, peregrinação. Fiz o Caminho de Santiago a pé em 2004, mas apenas desde Sarria, a 100km, o mínimo para ter a Compostelana. Uma experiência interessante incluindo a pernoita nos albergues do caminho francês a troco de um donativo.

Portomarín (rio Miño), o caminho, Monte do Gozo

Catedral de Santiago: pórtico da Glória, Porta Santa

Celebrava-se o Ano Jubilar Compostelano, também conhecido como Jubileu ou Ano Santo, que é celebrado desde a Idade Média quando o dia do apóstolo Santiago Maior (25 de julho), cujos restos mortais se encontram na catedral compostelana, coincide com um Domingo, o que sucede habitualmente cada 6, 5, 6 e 11 anos. O próximo será em 2010. As cerimónias que assinalam o início e o fim desta celebração são a abertura e o encerramento da Porta Santa, situada na cabeceira da catedral.

Lago Sanabria, Zaragoza

Bilbao, San Sebastian

Segóvia, La Alberca, Salamanca

La Alberca, aldeia histórica, situada na Serra de Francia, próxima da Ciudad Rodrigo. É uma aldeia com características muito peculiares, a beleza das suas casas com traves de madeira são testemunho da presença francesa na região, durante as invasões.

Vale dos Caídos, Madrid

Barcelona: ramblas, Parque Güell; Sitges

Torremolinos, Marbella
Granada, Alhambra


Córdova 

 
Cádiz

Sevilha

Olivença, Cáceres, Trujillo

Passagens de ano bem divertidas em Espanha.

Mérida, Guadalupe


Ciudad Real, moinhos de La Mancha; Toledo


CEUTA

Estive duas vezes em Ceuta.

Com o estatuto de cidade autónoma, Ceuta é um enclave espanhol que faz fronteira com Marrocos, no norte de África. Foi conquistada por Portugal em 1415 e manteve a administração portuguesa no contexto da Dinastia Filipina. Todavia, quando da Restauração Portuguesa em 1640, não aclamou o Duque de Bragança como rei de Portugal, ficando sob domínio espanhol.


No entanto, a cidade decidiu manter a sua bandeira que é composta por gomos brancos e pretos, à semelhança da da cidade de Lisboa, ostentando ao centro o escudo português. Em termos de património edificado, a cidade conserva inúmeros vestígios da ocupação portuguesa (fortificações, muralhas, igrejas). Foi aqui que Camões perdeu o olho direito, quando lutava a favor de D. João III, por volta de 1547-48.

CANÁRIAS 

Tenerife é a maior das ilhas do arquipélago das Canárias e está a pouco mais de 300 km do continente africano. O relevo da ilha é dominado pelo vulcão Teide, a mais alta montanha de Espanha, com os seus 3.718 m de altitude. Tenerife ocupa uma posição central em relação a Gran Canaria, La Gomera e La Palma. A capital é Santa Cruz de Tenerife. As praias são de areia preta e a de Santa Teresinha é branca porque foi colocada lá.

Teide 

A ilha era, em tempos, habitada pelos guanches, um povo de tez e olhos claros, cabelos por vezes loiros e elevada estatura, que suscita ainda dúvidas aos investigadores, incluindo o modo como foram lá parar. Uma série de estátuas na Candelaria representa este povo desaparecido.

Icod de los Vinos (draco), Candelaria


GIBRALTAR


O Rochedo de Gibraltar ou Coluna de Hércules é um monólito promontório de calcário, uma curiosa formação que se formou quando a placa tectónica africana colidiu com a da Europa. É um rochedo com 426 metros de altitude, administrado pelo Reino Unido, dominando o Estreito de Gibraltar.

O macaco-de-gibraltar é um macaco do Velho Mundo, o único primata, além do homem, que pode encontrar-se actualmente em liberdade na Europa.

Sem comentários:

Enviar um comentário